A quimioterapia é um tratamento destinado a eliminar células de rápido crescimento com a aplicação de remédios chamados quimioterápicos e é utilizada no tratamento de algumas doenças, mas, principalmente, no tratamento contra o câncer. Vários medicamentos extremamente potentes são utilizados e, ao se misturarem com o sangue, são levados para todas as partes do corpo com o objetivo de destruir, controlar ou inibir o crescimento das células doentes. Esses remédios agem nas células que se desenvolvem rapidamente, impedindo que elas se dividam na mesma velocidade. Porém, os quimioterápicos acabam destruindo também as células sadias que estão se renovando constantemente, como é o caso do cabelo, unha, pele, mucosa e, em casos mais graves, da medula óssea. Dessa forma, surgem os efeitos colaterais.

Câncer é um conjunto de doenças que se formam pelo crescimento desordenado de células que, quando se acumulam, formam os tumores. Essas células cancerígenas se dividem em grande velocidade.

No entanto, como as células normais apresentam um tempo de recuperação previsível, ao contrário das células cancerígenas, é possível que a quimioterapia seja aplicada repetidamente, desde que observado o intervalo de tempo necessário para a recuperação da medula óssea e de demais células sadias. Por este motivo, a quimioterapia é aplicada em ciclos periódicos.

Efeitos colaterais da Quimioterapia

Pode ocorrer a perda de cabelo, a mudança da cor das unhas e da pele, náuseas, dores e feridas nas mucosas. Mas o efeito colateral mais grave acontece quando a droga age sobre a medula. Como esse órgão é responsável pela produção de novas células sanguíneas, as plaquetas, os glóbulos vermelhos e brancos também acabam sendo afetados, causando anemias, sangramentos e a redução da imunidade.

Quem realiza a quimioterapia pode passar por muitos desses efeitos, assim como também pode não ter nenhum. O que pode oscilar também é o tempo que os medicamentos agem no corpo. Os efeitos colaterais duram de acordo com o tipo de quimioterapia que você recebe, podendo acabar junto com o ciclo de medicação, mas em alguns casos, podem levar meses ou até anos para acabar. Tudo depende da quantidade de quimioterápicos e como seu corpo reage ao tratamento.

Alguns tipos de quimioterapias podem causar efeitos colaterais permanentes a seu corpo, mas existem algumas formas de prevenir ou ajudar a tratar esses efeitos colaterais após cada sessão. Por isso, é importantíssimo que você converse com sua equipe médica antes de iniciar qualquer ciclo de quimioterapia para saber quais os efeitos colaterais você poderá enfrentar. E é prudente que tenha a orientação de nutricionistas e psicólogos para ajudar no enfrentamento dessa fase do tratamento.

Formas de aplicação da Quimioterapia

Quando não disponível em comprimidos ingeridos por via oral, as drogas quimioterápicas precisam ser injetadas via endovenosa. A duração da infusão varia, dependendo do esquema, desde poucos minutos até mais de 96 horas contínuas.

A infusão de quimioterapia ocorre em regime ambulatorial, ou seja, no CORP – Centro de Oncologia Rio Preto, onde recebem a infusão endovenosa. Dependendo de protocolos mais prolongados de infusão, o paciente também pode necessitar de internação hospitalar, usufruindo dos quartos apartamentos que o CORP disponibiliza.

Para evitar lesões às veias por infusões repetidas, em algumas situações, a equipe médica solicita aos cirurgiões vasculares a colocação de cateteres (tubos finos) na veia, implantados abaixo da pele. Estes cateteres especiais permitem acesso fácil, seguro para o paciente, pouco doloroso e cômodo das enfermeiras para a colocação de soros e infusões.

Existe também a aplicação dos medicamentos via intramuscular que é quando a medicação é aplicada por meio de injeções no músculo ou subcutânea, quando a aplicação da quimioterapia é feita com uma injeção no tecido gorduroso acima do músculo (abaixo da pele).

“É importante ressaltar que o acolhimento do paciente tem que acontecer de uma forma totalmente humanizada, estendendo o apoio à família. Por isso, criamos o CORP, que integra profissionais altamente qualificados com especialização em oncologia clínica, genética médica, cuidados paliativos, nutrição, fisioterapia e psicologia para acompanhar os pacientes em todas as etapas do tratamento”, cita Dr. Altino, médico oncologista do CORP.

“Outra dica que deve ser considerada é evitar estar em ambientes com grande número de pessoas ou crianças, já que seu sistema imunológico estará temporariamente enfraquecido durante o tratamento. E beber muito líquido durante as 48 horas seguintes da aplicação da quimioterapia para ajudar a eliminar os resíduos da medicação que ainda possam estar no seu organismo”.